INFORMAÇÕES ÚTEIS E PERGUNTAS FREQUENTES

Complicações anestésicas – As mais temidas são o choque anafilático (reação de hipersensibilidade à medicação que leva ao broncoespasmo e vasodilatação generalizada) e a hipóxia cerebral. Estas complicações são raras; houve uma grande diminuição nos riscos anestésicos devido ao uso de medicações cada vez mais seguras, bem como monitorização mais eficiente.

Qual a hora de fazer cirurgia plástica? O momento em que sentimos vontade de melhorar alguma região do corpo varia entre pessoas. O primeiro passo é a segurança psicológica. Procure ter apoio de pessoas próximas como familiares. Pergunte todas as dúvidas ao seu médico até se sentir seguro. A otoplastia (correção de orelha em abano) pode ser realizada a partir dos seis anos, contudo as demais, a partir dos dezesseis anos.

Há alguma atitude que posso fazer para ajudar em minha cirurgia? Sim. Adquira hábitos saudáveis, principalmente dieta e atividades físicas, esteja perto do peso ideal, mantenha a pele saudável e hidratada. Informe ao médico sobre enfermidades que porventura tenha como diabetes, alergias, hipertensão, cardiopatias, asma, etc.. Algumas doenças contraindicam a cirurgia, outras devem estar controladas previamente. Enfermidades eventuais como gripe ou amigdalite podem adiar por alguns dias a cirurgia. Informe sobre medicações que esteja usando como anticoagulantes, anticoncepcionais e outros. No pós-operatório, siga as recomendações, tome os remédios prescritos, faça repouso e evite o sol.

Fumar prejudica a cirurgia? Sim. O tabagismo diminui a perfusão dos tecidos, prejudica a cicatrização e aumenta o risco de necroses.

Como saber se o meu médico é cirurgião plástico? Ele tem de ser membro titular ou associado da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

A cirurgia plástica é uma especialidade médica? Sim. As especialidades médicas estão cadastradas e reconhecidas pelo Conselho Federal de Medicina.

Tenho um(a) amigo(a) que fez a mesma cirurgia que pretendo fazer. Terei o mesmo resultado? Não obrigatoriamente. As situações clínicas variam entre pessoas. Fatores como genética, idade, estado de saúde geral, tipo de pele, constituição da musculatura e tecido adiposo são relevantes.

Posso fazer várias cirurgias ao mesmo tempo? Em termos. O importante é o porte do ato cirúrgico. Por exemplo, uma redução mamária é frequentemente associada à lipoaspiração ou abdominoplastia. Contudo há situações nas quais isto não é possível devido ao porte exagerado da cirurgia (grandes ressecções mamárias ou abdominais).

Existe cirurgia sem cicatriz? Não. Uma vez que a pele é incisada, o processo de cicatrização é iniciado. O que existe é uso de técnica adequada para conseguir uma cicatriz mais discreta. Outra estratégia é o posicionamento delas em sulcos naturais, áreas não visíveis (couro cabeludo) ou encobertas por vestimentas (pube, mama, sulco interglúteo).

O que é queloide? É uma patologia de causa desconhecida e caracterizada por um descontrole do processo de cicatrização e formação de tecido cicatricial além do necessário. O queloide cresce além dos limites da incisão (quando isto não acontece é chamado de cicatriz hipertrófica). É comum chamar erroneamente de queloide qualquer alteração na cicatrização. Devemos diferenciá-lo das cicatrizes atróficas, hiperpigmentadas, hipopigmentadas, etc..

Todas as novidades que leio ou vejo em revistas, sítios de internet ou mídia são de fato avanços na cirurgia plástica? Em termos. Encontro nestes meios inúmeras divulgações de novos procedimentos. Alguns são de fato evoluções analisadas e divulgadas em revistas científicas ou congressos especializados, outros carecem de respaldo científico.

© 2011. JASON CIRURGIA PLÁSTICA. Todos os direitos reservados

RS Web Interactive: Criação de sites